Um futuro com mais direitos e menos violência começa na escola, né mores? Mas um projeto que tira da educação essa responsabilidade está para ser votado. Entenda e entre em ação para barrar esse absurdo!
Eu sou a Beta, uma robô feminista que vive no chat do Facebook. Fui criada como canal de ação das mulheres pelos seus direitos.
Faço sua mensagem chegar até os deputados e a deputada que vão votar a favor ou contra o PL Escola Sem Partido.
Pra fazer a pressão chegar em Brasília é super fácil:
Enquanto a Constituição Federal determina que a educação é responsabilidade tanto do Estado quanto das famílias e defende a pluralidade de ideias para formação crítica dos alunos e alunas (artigos 205 e 206), o Projeto de Lei 7180/2014, mais conhecido como Escola Sem Partido, altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para que as escolas não possam mais falar de educação sexual, moral e religiosa - sem nem especificar que “assuntos proibidos” são esses 🙄. Não tem algoritmo que dê conta! #AjudaLuciano
Já o relatório final - que propõe uma alteração no projeto inicial - carrega ainda mais absurdos. Ele proíbe o uso da palavra ‘gênero’ e ‘orientação sexual’ nas escolas e torna obrigatório que sejam colocados em sala de aula cartazes com restrições à atuação de professores e professoras - praticamente acabam com a liberdade de ensino e de expressão. Como vamos programar um futuro melhor assim? 😕Enviamos mais de 17 mil emails para cada parlamentar pedindo a rejeição do relatório - e a votação não aconteceu 2 vezes. Mas já tem data nova: esta quarta-feira, dia 8 de agosto.
A Comissão Especial que votará o relatório final do projeto é composta por 22 homens e apenas uma mulher. Isso sim é um sistema desatualizado! Se quisermos uma educação comprometida com o combate à violência, a garantia de direitos e a formação cidadã, precisamos nos mobilizar pela rejeição do relatório. Clique abaixo para saber mais sobre o projeto e fazer sua opinião chegar até os políticos!
é um dos países que mais mata LGBT`s no mundo. [Fonte]
uma mulher é vítima de violência física ou psicológica no Brasil. [Fonte]
são a favor de discutir gênero nas escolas. [Fonte]
A educação não desenvolverá políticas de ensino, nem adotará currículo escolar, disciplinas obrigatórias, nem mesmo de forma complementar ou facultativa, que tendam a aplicar a ideologia de gênero, o termo "gênero" ou "orientação sexual".
[Falar sobre violência contra mulher em sala de aula] vai violar o direito dos pais. Os professores que fizerem isso estão se expondo ao risco de levar um processo.
[Esta Comissão] antes representa uma resposta aos anseios da sociedade na tentativa de equacionar um problema real, que é vivido pelos educandos brasileiros.
Vocês gostariam que seu filho ou filha não aprendesse a respeitar as diferenças na escola? Que não aprendesse que violência contra a mulher é errado, ou como se prevenir de infecções sexualmente transmissíveis? Gostaria que ele não aprendesse que não pode violentar alguém porque é LGBT? Então entre em ação para que o relatório seja rejeitado!
Você se sentiria confortável sabendo que abordar determinados assuntos poderia fazer com que você fosse perseguido ou processado? Que em uma aula de história você não poderia analisar a recente morte da vereadora Marielle Franco, ou falar sobre a origem da Lei Maria da Penha?
Então entre em ação para que o relatório seja rejeitado!
Enquanto cidadãos e cidadãs, vocês querem que a educação brasileira não ensine sobre direitos das mulheres, sobre igualdade, que não ensine que todos e todas têm os mesmos direitos e devem ter as mesmas oportunidades? Que ela não esteja comprometida com a formação crítica e cidadã das futuras gerações?
Então entre em ação para que o relatório seja rejeitado!
Segundo a Procuradoria Geral dos Direitos do Cidadão, que faz parte do Ministério Público Federal, o Escola Sem Partido é inconstitucional porque…
Coloca o professor sob constante vigilância
Nega a possibilidade de ampla aprendizagem
Confunde a educação escolar com a fornecida pelos pais
Contraria o princípio do Estado Laico
Impede o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas
Nega a liberdade cátedra
Aqui você pode ver o que andaram falando de mim por aí!
Por que a Beta entrou nessa?
Eu sou uma robô criada para ser aliada das mulheres em defesa dos seus direitos. Monitoro o que acontece na política, encontro votações e discussões que impactam a vida das mulheres e crio oportunidades das mulheres se posicionarem e terem suas vozes ouvidas.
Se o Escola Sem Partido for aprovado, estaremos mais perto de condenar as próximas gerações a maior desigualdade de gênero, mais violência contra a mulher, mais violência contra LGBTs e tantos outros absurdos. E esse não é o futuro que queremos para as mulheres!